terça-feira, 1 de junho de 2010

Hipotecar o Futuro



O excerto retirado do documentário de Sam Bozzo, Blue Gold: World Water Wars (2008), faz a reflexão devida sobre as consequências negativas a médio e a longo prazo, na construção de barragens. Ao contrário do que a EDP e o Governo vão dizendo, estas são maus mecanismos de gestão dos recursos hídricos pelos enormes desequilíbrios que geram no ambiente, tendendo paradoxalmente a contribuir para a desertificação. Mais, os sedimentos que deviam ser levados pelos rios até ao mar, acumulam-se nas sucessivas albufeiras e estão também na origem do processo de erosão da costa, cujas medidas de minimização são suportadas na íntegra pelos contribuintes.

Mas isso não interessa que se saiba. Para fazer valer uma forma ineficiente e arcaica de produzir energia, mas que gera activos à empresa e liquidez imediata ao Orçamento de Estado, nada como mascarar os prejuízos, lançando charme pela Região. É o que a Fundação da eléctrica fez recentemente, ao patrocinar projectos de "valor e transformação social e ambiental" em Mondim de Basto, com a conivência da Câmara Municipal e do Governador Civil de Vila Real. Fica a empresa bem na fotografia, aliando uma dissimulada consciência verde à responsabilidade social. Mas também pode o executivo de Mondim ficar com a certeza de que o capital político arrecadado em alinhar na propaganda, é uma miséria face ao valor que teimam em hipotecar.

7 comentários:

Anónimo disse...

se sabes isso tudo.se te revoltas com a realidade acual. e bem.porque não passas das palavras aos actos?reune um grupo de pessoas de tua confiança e avança por esse mundo da poltica.1º o arco, depois cabeceiras, depois minho...etc..força, coragem

Vítor Pimenta disse...

caro. agradeço a consideração mas não tenho ambições de poder. tento pelo menos mudar mentalidades. não digo que tenho a razão do mundo, não sou dono da verdade, mas tento dar pontos de vista alternativos. é essa a minha rEvolução

Anónimo disse...

É ridículo afirmar que assinatura de um mero protocolo pretende compensar o valor hipotecado.

Vítor Pimenta disse...

tenho todas as razões para duvidar da boa-fé da EDP no Vale do Tâmega. E a assinatura deste protocolo é mais um sinal claro de que as autarquias estão a comprometer-se com a construção da barragem. E sim, na minha opinião, é hipotecar o futuro.

Anónimo disse...

Tens todo o direito e motivos para duvidar. Também dúvido que alguma vez nos compensem pelo valor hipotecado. Mas há algo que não me deixa dúvida nenhuma,: não aproveitar nenhuma das compensasões, era ficar com valor hipotecado e uma mão cheia de nada. Se vem, e parece qiue vem mesmos, aproveitem e revidiquem ao máximo! Bast(o) de lutas inconsequentes!

Anónimo disse...

Lamentavelmente os que querem dar voz contrária ao Tâmega são todos anónimos.
O Vítor chega para eles...

JEQ

ana bela disse...

tens toda a razão vitor, hipotecam o nosso futuro diariamente...
e temos um bom exemplo, no momento em que a obra de camilo castelo branco vai dar origem a um roteiro turístico e cultural que vai unir 11 municípios nacionais, entre eles ribeira de pena. por outro lado, com a construção das barragens do tâmega vão destruir "a ilha dos amores" retratada na obra de camilo castelo branco.